Physical Address

304 North Cardinal St.
Dorchester Center, MA 02124

Projeto ergonômico avança em Caruaru

caruaru

Projeto de implantação de ergonomia nos postos de trabalho dos setores de produção das indústrias elevam a qualidade de vida laboral dos trabalhadores das confecções de Pernambuco

23/09/2013

A união de trabalhos entre a CONACCOVEST, a FUNDACENTRO e o Ministério do Trabalho Emprego/PE fortalece os objetivos do “Projeto Têxtil” desenvolvido no estado por auditores fiscais do ministério do trabalho e emprego fazendo com que o empregador desenvolva consciência social e melhorando assim sua relação com o trabalhador.

Antes do ano de 2010 o Ministério do Trabalho e Emprego realizava sua metodologia de planejamento de fiscalização através de denúncias recebidas por entidades sindicais e desta forma as categorias profissionais que tinham uma entidade sindical mais atuante eram as que recebiam maior atenção. Ocorre que a partir dai o Ministério passou a trabalhar por projetos baseados em dados, tais como: número alto de informalidade; falta de depósitos de FGTS; número altos de afastamentos de trabalhadores por acidentes de trabalho e de desenvolvimentos de doenças relacionadas ao trabalho; etc.

Assim nasceu o “Projeto Têxtil” coordenado pelo auditor fiscal Paulo Mendes e executado por uma equipe de nove fiscais do Estado de Pernambuco.

A indústria de confecções de Pernambuco é a maior geradora do primeiro emprego aos jovens, a mais importante cadeia produtiva do Estado, a que mais emprega. Hoje o Estado de Pernambuco é o segundo maior pólo produtivo de confecções do país, mas em contrapartida possui um número alarmante de trabalhadores na informalidade, não computa um alto número de morte no trabalho, mas apresenta uma estatística alta de trabalhadores afastados por doenças relacionadas ao trabalho, sendo a principal causa o desenvolvimento de distúrbios músculos-esqueléticos e a segunda desenvolvimento de distúrbios- psicossomáticos.

O projeto que já têm 3 anos sempre foi levado a sério pela equipe de auditores que acumula experiência no setor, realiza pesquisa de campo e de literaturas para suas atuações.

“Foi assistindo uma palestra da CONACCOVEST na FUNDACENTRO de Pernambuco a qual estive presente representando o Superintendente do Ministério do Trabalho e Emprego do Estado, que me apaixonei pelo trabalho de ergonomia desenvolvido pelas duas instituições e vi que o mesmo poderia contribuir para melhoria do setor de confecções e para a proteção da saúde do trabalhador” – Relata Paulo Mendes

Após conversar com a equipe de auditores, entrei em contato com a coordenadora nacional da secretaria de saúde, segurança e meio ambiente do trabalho da CONACCOVEST – Milene Rodrigues que nos enviou o Relatório de Riscos Ergonômicos dos postos de trabalho do setor e incorporamos o laudo ergonômico da FUNDACENTRO & CONACCOVEST nas estratégias do projeto.

Tivemos um debate: O empresário local alegava que nosso Estado não havia sido contemplado no referido Relatório e, portanto o Laudo Ergonômico deste não poderia ser exigido. Para o fortalecimento de nossa demanda a CONACCOVEST e a FUNDACENTRO vieram com sua equipe (Milene Rodrigues, Eunice Cabral, José Antônio S. Rodrigues e Ricardo da Costa Serrano) em nosso Estado, estudaram in loco os postos de trabalho das confecções de Pernambuco e emitiram um laudo específico; então o entregamos a classe empresária e passamos a exigir o seu cumprimento. Complementa o coordenador do projeto.

A equipe de auditores é audaciosa procura sempre o diálogo com os atores envolvidos nas questões, inclusive com órgãos do mais diversos setores do governo, Secretaria da Indústria do Estado, DIEESE, Federação das Indústrias e representantes dos trabalhadores.

“É de fundamental importância que o governo estadual invista no desenvolvimento do setor como tem feito, mas também é importante que o mesmo cobre dos beneficiados retorno social; um modelo de desenvolvimento responsável e um sistema humano de produção” – Ressalta Paulo

O Projeto Têxtil tem alcançado vários objetivos e tem despertado a consciência social do empresário do setor de confecções para com seus funcionários.
Hoje várias indústrias do Estado adotam e aplicam em seus postos de trabalho produtivos o laudo ergonômico emitido pela CONACCOVEST & FUNDACENTRO e fornecem cadeiras ergonômicas estofadas a seus funcionários. Uma verdadeira evolução que provoca mudanças positivas no setor, inclusive investimentos de outra natureza em seu meio ambiente de trabalho tais como implantação de climatizadores nas suas instalações.

Há um interesse do setor na preservação da boa saúde, uma alteração positiva na conduta empresarial e o trabalhador expressa-se com olhar feliz por ser valorizado como pessoa.

O resultado desta façanha vem sendo documentado através de uma pesquisa quali-quantitativa desenvolvida pelos diretores executivos da FUNDACENTRO e também diretores das relações internacionais da fundação Sr. Sergio Antônio dos Santos e Sr. Jorge Marques Pontes acompanhados pelo ergonomista e tecnologista Ricardo da Costa Serrano, pela presidente da CONACCOVEST Eunice Cabral e pelos Coordenadores Milene Rodrigues e José Antônio S. Rodrigues.

Esta pesquisa esta estudando e avaliando o olhar perceptivo da importância de investir na preservação da boa saúde, por isto colhe depoimentos de trabalhadores, empresários, profissionais que atuam na área de saúde e segurança no trabalho destas empresas, de agentes do governo e da justiça do trabalho.

Sua realização compreende as regiões do Brasil abrigadas e assistidas pelo projeto de implantação da ergonomia nos postos produtivos das indústrias e seu resultado vai contribuir para a construção de um modelo nacional de atuação na área de saúde e segurança do trabalhador.

A cidade de Birigui/SP foi a primeira a ser estudada, agora os realizadores da pesquisa estão estudando algumas das cidades do Estado de Pernambuco onde existem indústrias que adotaram o projeto.

Ouvimos do próprio empresariado local “Se é para melhorar então devemos investir. Reconheci que este tipo de investimento que faz grande e positiva diferença. Não é um gato a toa e já tenho seu bom retorno”.

Autor: Milene Rodrigues